Educação não formal: o potencial para educação ambiental de parques e museus.

Estamos em agosto, e quem não foi durante as férias em um parque, aquário, museu, jardim botânico ou zoológico com alguma criança (ou sem, podem confessar…rsrsrs). A verdade é que em tempos de urbanização, ir a um local como estes pode nos trazer uma pausa na correria e nos reconectar com a natureza.

DSC_0320

Passeio no Orquidário Municipal de Santos (foto por Diley Gomes,2017)

Muitos já concordam que parques e museus tem um potencial grande para atrair a curiosidade dos visitantes, que buscam lazer e alguma atividade diferente de ficar conectado na rede virtual ou andando por centros comerciais. Mas parques e museus tem também um grande potencial para a educação não formal, aquela que produz aprendizado de conteúdos da escolarização formal, porém em espaços não formais, de forma lúdica. Para Vieira et al (2005) estes ambientes podem ser úteis na educação de conteúdos suprindo carências que a escola venha a ter de laboratórios e recursos audiovisuais, que segundo os autores são importantes para estimular e fixar o aprendizado.

Nos estudos de Soga e Gaston (2016) seus resultados demonstraram que as crianças desta geração gastam menos tempo em experiências que envolvam a natureza ao ar livre se comparadas com crianças das gerações anteriores. Segundo os pesquisadores esta queda na experiência diária com a natureza não apenas pode diminuir os benefícios relacionados à saúde e ao bem-estar humano, mas também estaria ligado a desencorajar emoções, atitudes e comportamentos positivos em relação ao meio ambiente, o que poderia levar a um ciclo de descontentamento com a natureza. Quantas crianças hoje tem contato com a fonte do alimento que está em suas mesas? Esta geração “desconectada da natureza” pode se tornar a geração menos consciente de suas responsabilidades de cuidar e preservar o meio ambiente, por simplesmente não ter “memória afetiva” com a natureza como as gerações anteriores. Por isso pode se afirmar que os “espaços verdes” em meio ao meio urbano são tão importantes para a educação ambiental de nossas crianças.

DSC01328

Jardim Botânico do Rio de Janeiro (2016)

Neste ano iniciei um mestrado em ecologia, com foco em biodiversidade. Pensando que a educação ambiental eficiente seria um instrumento para a conscientização da importância da preservação da biodiversidade, passei a aprofundar o questionamento do uso dos parques e museus da cidade em que vivo para este fim. Embora sejam espaços com potencial para realizar ações de educação ambiental não formal, estariam eles sendo eficientes em suas exposições e abordagens? Certamente outros pesquisadores concordam que é necessário rever muitos conceitos e realizar uma análise profunda desses espaços e de seus conteúdos, assim como de como tem sido apresentado para os visitantes, se o assunto biodiversidade e conscientização ambiental estão sendo colocados de forma clara e se as exposições realmente ajudam no aproveitamento do aprendizado não formal.

DSC01748

Visita ao Orquidário Municipal de Santos (2017)

Sendo assim realizei algumas visitas, com o intuito de avaliar estes espaços na cidade de Santos/SP, no primeiro semestre de 2017, e os resultados foram reunidos e publicados em um artigo que acabou de sair. Convido a ler e fomentarmos essa discussão: os parques e museus ajudam na educação ambiental? Seria melhor levar as pessoas para o habitat natural? Como as exposições poderiam ser mais eficientes e alcançar o público, trazendo um resultado positivo na conscientização ambiental de adultos e crianças?

Este é nosso artigo: SANTOS, Sílvia Lima Oliveira dos; GIORDANO, Fabio. Educação ambiental não formal: os parques e museus de Santos – SP. UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 3 (2017) p. 172-187. Disponível em: <http://periodicos.unisanta.br/index.php/bio/article/view/815/896&gt;

Nossos parques, jardins e museus podem reconectar a nova geração com a natureza e gerar percepção ambiental, consciência verde e preservação da biodiversidade. Não pode haver um futuro sustentável sem pessoas educadas para preservar, que se importem com o planeta que habitamos. Vamos fomentar essas sementes de educação ambiental. Leia, curta e compartilhe!

Referências citadas:

VIEIRA, Valéria; BIANCONI, M. Lucia; DIAS, Monique. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Cienc. Cult.,  São Paulo,  v. 57,  n. 4, Dec.  2005 .   Disponível em:  <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252005000400014 &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 de jun. 2016.

SOGA, Masashi; GASTON, Kevin J. Extinction of experience: the loss of human–nature interactions. Frontiers in Ecology Environ (2016) Vol 14(2). P. 94–101, doi:10.1002/fee.1225

Ambientes públicos e espaços de convivência

 

espacos-publicos-02

Imagem do site HUMA

O ser humano foi criado para as relações interpessoais. Desde o princípio da vida em comunidade ele busca lugares para se socializar, e já nos primórdios se reunia em cavernas ao redor do fogo, onde podia estar abrigado do perigo e contar suas aventuras aos demais. Isso pode ser confirmado pelas descobertas arqueológicas e as muitas evidências de pinturas rupestres, ou seja, formas de expressão artística pré-histórica, encontradas em paredes, tetos e outras superfícies das cavernas e abrigos rochosos. Nestes ambientes, o ser humano aprendeu a conviver e compartilhar experiências. Surgiram noções dos espaços de convivência, assim como as regras para se viver em sociedade.

No decorrer do tempo, o homem se tornou mais confiante e passou a ser mais “outdoor”, foi quando as comunidades começaram a se reunir também em ambientes abertos. Em cada momento da história ele encontrou locais para se reunir e fazer parte de um grupo com o qual tenha afinidades e pontos em comum. Os espaços públicos foram palcos do desenvolvimento cultural, legislativo, filosófico e científico das primeiras civilizações, como por exemplo a “heliaia, eclésia, ou ágora”, locais de encontros dos cidadãos ao ar livre na antiga Grécia. Estes locais se tornaram um marco do estabelecimento do espaço urbano, e alguns afirmam que a ágora era a expressão máxima da esfera pública na paisagem urbanística grega, pois eram espaços públicos por excelência, palco da história, onde floresceu a cultura, a política e a vida social desta civilização.

arte-grega-14-638

Porém, hoje vivemos tempos de modernidade, de conexão virtual, de relacionamentos à distância. A vida nas grandes cidades parece afastar as pessoas de relacionamentos e o homem novamente retorna a lugares internos e protegidos. A marginalização nos centros urbanos e o crescimento da violência gerou um sentimento de insegurança e medo, levando o homem a se esconder em suas cavernas. Atualmente em muitas cidades do Brasil, o espaço de convivência se tornou “indoor”, uma vez que centros comerciais e clubes são os mais procurados para encontros, devido à segurança e facilidade de acesso a comodidades, como estacionamento, alimentação, entretenimento e comércio.

espacos-publicos-01

Imagem do Pinterest

Mas, e se nossas cidades oferecessem ambientes públicos ao ar livre, onde o cidadão teria segurança e comodidades, como banheiros e estruturas de lazer e esporte? Em algumas cidades da Europa isso já é realidade, e em muitas cidades do Brasil projetos parecidos estão sendo implantados, para que o cidadão desfrute do bem público, utilize as praças e parques, esteja em contato com a natureza, possa compartilhar experiências e ter seu entretenimento ao ar livre. Existem muitas cidades que poderiam servir de exemplo para implantar projetos de revitalização dos espaços públicos, para que se possa retomar os espaços de convivência ao ar livre e trazer o ser humano novamente ao ambiente externo.

dsc06998

Jardin du Luxembourg, Paris – França (foto tirada em 2014)

Este artigo é parte de um estudo que busca conhecer a situação atual das praças e parques públicos das nossas cidades, e se analisar se realmente são estruturas que aproximam as pessoas, se atualmente cumprem sua função de espaços de convivência, assim como encontrar exemplos de cidades que poderiam ser modelos para novos projetos de revitalização. A urbanização é inevitável, segundo Jeffrey Sachs, em alguns anos a maioria da população do planeta estará vivendo em cidades. Por isso as cidades do futuro deverão ser cidades sustentáveis, o espaço urbano precisa ser repensado para que seja adequado às necessidades dos cidadãos. Devemos buscar construir juntos a cidade que nós queremos, que une pessoas e meio ambiente, que respeita as interconexões do ser humano com a natureza, que abre caminho para a convivência e uso sustentável do espaço público.

dsc07866

Hyde Park, Londres – Reino Unido (foto tirada em 2014)

Texto de: SANTOS, S.L.O. (Sílvia Santos)

Fontes:

Wikipedia.org

Imagens retiradas do Google imagens e Pinterest

https://esbocosfilosoficos.com/tag/grecia-antiga

http://pt.slideshare.net/entrecores/arte-grega-21547131 (imagem)

https://www.youtube.com/watch?v=hTI5OWiz22w – O que é uma Ágora

http://www.huma.net.br/o-morador-e-cidadao/pela-troca/

http://www.huma.net.br/dialogos-da-huma/por-cidades-mais-livres/

SACHS, Jeffrey D. The Age of Sustainable Development. New York: Columbia University Press, 2015.