Superando o medo

Muitos não sabem, mas eu faço natação há algum tempo, não somente pelos benefícios para a saúde ou para perder peso, mas porque foi um alvo de superação para mim. A verdade é que tive uma experiência traumática quando eu era criança, eu quase me afoguei na praia, no raso, e fiquei com muito medo de entrar na água novamente, fosse no mar ou piscina, e muitas vezes a fobia também se manifestava na hora de lavar o cabelo. Só quem já passou por um afogamento sabe como é essa sensação. Um pavor que toma conta de você, te faz entrar em desespero e perder totalmente o controle da situação. Você se torna refém deste medo, desta monstruosidade que sua mente cria, seja ela verdadeira ou não, e você paralisa.

frase-medo-nelson-mandela-150306

Foi somente há alguns anos atrás, quando entrei em contato com as técnicas de coaching, que decidi acabar com as crenças limitantes e superar meu medo de nadar. Não foi nada fácil, foi bem difícil na verdade, pois o primeiro professor que eu tive não ajudou em nada: ele não foi gentil, não teve sensibilidade para lidar com meu trauma. Eu passei meses indo para a natação e usando uma boia amarrada no corpo. Imaginem a cena, uma mulher de vinte e poucos anos com uma boia amarrada. Pois é, eu “paguei mico”, mas eu não desisti, os professores mudaram e finalmente tive uma professora maravilhosa, a Érica, muito sensível e carinhosa que me ajudou e muito! Sim, eu venci a batalha contra o medo, eu aprendi a nadar sem boia, e já conseguia fazer uma marca de 1.500 m em uma hora! Para quem nada isso não é nada, mas para mim é a prova da superação e de que qualquer crença limitante pode ser quebrada.

A história não acaba aqui, não estou escrevendo nenhum conto de fadas, nenhum romance fictício, onde os personagens são “felizes para sempre” é da vida real que estamos falando. Vencer o medo não é apagar esse trauma da sua vida, é superar a lembrança traumática e conviver com ela de forma que já não te paralise. Mas, o medo volta, quando olhamos demais para a situação ao redor, perdemos a confiança, lembramos que não temos o controle e caímos novamente. Lembrei de Pedro, que estava andando sobre as águas confiadamente, mas foi só sentir o vento no rosto e ver as ondas que ele lembrou: “Opa, isso não é normal, eu estou andando em cima da água, eu posso afundar a qualquer momento…” e foi aí que ele começou a afundar. (“Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: ‘Senhor, salva-me! ’” Mateus 14:30). Eu sei bem como é isso. Eu quase me afoguei novamente há alguns anos atrás, durante uma aula errei a respiração e me descontrolei, fiquei um tempo na piscina me debatendo, estava muito cheia e não conseguia alcançar o chão com os pés (sou baixinha mesmo). A professora correu para a borda e começou a gritar, não lembro o que, mas me fez pensar: “eu estou em uma aula, eu sei nadar, eu não sou uma garotinha se afogando no mar, eu consigo boiar, eu posso sair dessa…” E foi assim que me acalmei e consegui me controlar, passei a boiar, consegui respirar e nadei até a borda.

mark_twain_coragem_e_a_resisten_normal_l

Este ano eu voltei a nadar, finalmente fui liberada pelo médico para fazer algumas atividades, após uma lesão no joelho, sendo a natação uma delas, por ter menos impacto na articulação. Atualmente eu amo nadar, estar debaixo da água, ouvindo somente o barulho da movimentação do seu corpo submerso. (“No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor. ” 1 João 4:18). Geralmente utilizo este tempo para meditar, refletir, repassar ideias mentalmente. Meus dias mais produtivos são quando faço natação, ou quando corria, pois, embora meu corpo esteja atento aos movimentos, e eu esteja consciente das ações dos meus membros, meu cérebro está livre para trabalhar, criar, gerar coisas novas. Além disso, gosto da solidão nestes momentos, não poder falar ou estar em meio ao barulho suave da natureza me desperta os sentidos e eleva meus pensamentos. Não gosto de academia exatamente por isso, sou um tanto quanto antissocial, e as músicas altas, pessoas falando, conversinhas, atrapalham minha atividade cerebral criativa.

Mas o que quero falar aqui neste artigo é sobre superar o medo. Sobre não deixar que o medo sabote você. Hoje quando cheguei na aula a piscina estava muito cheia, a água estava na borda. Já pensei: “Meu Deus, hoje eu não consigo parar e ficar em pé na piscina, se acontecer algo tenho que continuar nadando”. Aí, quando fui entrar vi que tinha muitos insetos e assim que entrei tinha uma baratinha nadando do meu lado. Esse é outro medo que preciso superar todos os dias: barata. Já tive pavor, ao ponto de me desesperar, mas agora até consigo matar. Mas hoje aquela baratinha me desestabilizou… E se ela subisse em mim? Então já entrei na piscina com a confiança abalada, com medo mesmo sabe? E não deu outra: no meio dos 300 m, ainda fazendo aquecimento perdi o controle de novo e quase me afoguei. Foram apenas alguns segundos, afundando e me debatendo, mas aquelas lembranças traumáticas paralisaram meu raciocínio novamente e eu esqueci que sabia nadar. As crenças limitantes sempre vão tentar vir à tona, se você já entrar na luta com medo de perder, seu fracasso aconteceu antes mesmo de começar. Depois que consegui me tranquilizar e voltar a boiar, ficar respirando até meu batimento normalizar e conseguir nadar até a borda, depois que estava lá em segurança na borda lembrei de Jó e sua célebre frase: “Porque aquilo que temia me sobreveio; e o que receava me aconteceu. ” (Jó 3:25). Até porque, a ‘bendita’ barata também achou um jeito de subir no meu braço, sim, eu consegui atrair tudo o que eu não queria hoje.

Depois disso tudo passei 800 m nadando e pensando na lição que aprendi: a insegurança atrai o fracasso. O medo de algo te leva a viver aquilo que você teme. Alguém que entra em um relacionamento com medo de ser traído, mal-amado ou abandonado, já está condenando seu relacionamento. Alguém que vai para uma prova ou entrevista com medo de não ser selecionado provavelmente não vai ser bem-sucedido nesta empreitada. Começar um curso ou uma faculdade com medo de não conseguir completar, é quase a mesma coisa que assinar sua desistência. A insegurança e o medo limitam nossas habilidades, enfrentar a situação olhando para o que pode acontecer de errado te leva ao fracasso, pois dá lugar na sua mente para as crenças limitantes que distorcem nossa visão e criam gigantes intransponíveis. Quer vencer algo? Se livre do medo, diga não para a insegurança e passe a olhar o que há de bom na situação: as ondas são altas e o vento está batendo? Jesus está com você sobre as águas. Sua família é tão abençoada que você tem medo de perder tudo isso? Creia que mesmo na morte, na dor e na perda, Deus tem restituição e renovação para você. A piscina está cheia até a borda? Aproveite para melhorar sua habilidade e criar resistência. Tudo é questão de perspectiva, você escolhe como vai encarar, e nessa escolha determina como serão seus resultados. Escolha superar o medo hoje!

medo

By Silvinha Santos

Fontes das Imagens:

http://negocioseoportunidades.net/medo-e-o-grande-vilao/

https://pensador.uol.com.br/ e Google imagens

Gingerbread ou biscoito de gengibre

Olá pessoas,

Quanto tempo não posto receitinha aqui, mas estou de volta com essa bem clássica e fácil para o Natal (e para o ano todo também, por que não?): biscoito de gengibre!

Essa é uma adaptação minha, pois sou alérgica, como alguns sabem, então ela fica bem leve e muito saudável!! Eu adiciono farinha de aveia por causa das fibras e mel para enriquecer a receita nutricionalmente. Você pode colocar castanhas picadas, chocolate meio amargo picado, use sua criatividade e faça a sua adaptação também! ❤

Você pode fazer esses biscoitinhos e enfeitar sua mesa ou dar de presente para seus convidados na ceia de natal, basta colocar em um saquinho com um lacinho bem bonito ou em um vidro enfeitado… Use sua criatividade e crie um presente lindo, gostoso, saudável e personalizado!

Você encontra o gengibre em pó em lojas de produtos naturais e em algumas barracas de feira livre… Não sei se o gengibre ralado fica bom, ainda não tentei, quem tentar faz um comentário aqui ok?

img_20161202_074820

Chazinho da tarde em clima de Natal!!

Gingerbread lacfree

Ingredientes:

1 xícara de amido de milho ou polvilho doce
1 xícara de farinha de arroz
1 xícara de farinha de aveia
2 colheres de chá de fermento em pó
2 colheres de chá de gengibre em pó
2 colheres de chá de canela em pó
1 pitada de sal

1 ovo
1 xícara de açúcar mascavo
2 colheres de sopa de mel
1/2 xícara de óleo de girassol (ou menos)

Modo de preparo

Junte todos os ingredientes secos em uma tigela ou bacia, reserve. Bata separado o ovo, o açúcar, o mel e o óleo (eu bato no liquidificador). Depois junte aos ingredientes secos e misture bem com uma colher. Depois trabalhe a massa com a ponta dos dedos até obter uma consistência firme (pode acrescentar mais farinha para ela ficar no ponto de soltar das mãos).
Sobre uma superfície lisa polvilhada com farinha, abra a massa até deixar bem fina (eu uso rolo de massa, mas pode usar uma garrafa para ajudar a abrir a massa) e corte na forma que desejar. (dica: pode usar cortador, fazer a mão ou usar uma tampa redonda para ajudar a fazer o formato.)
Pré-aqueça o forno em temperatura baixa ou moderada (160° C a 180º C), coloque os biscoitos em uma assadeira untada e leve para assar até dourar, os biscoitos assam bem rápido, então fique de olho. Eu aconselho a virar depois de dez minutos e depois deixar por mais dez minutos, mas isso também depende do seu forno.

Até a próxima, feliz Natal galerinha!!!

See you, merry merry christmas!

img_20161202_104639

Nosso Jack frost envia um “alôzin” pra vocês! ❤

Voltando à atividade!

Hello people! Oie galerinha!

Depois de tanto tempo finalmente me organizei e parei um pouco para escrever no Blog! Estes últimos meses foram uma loucura, mudança de 360° na minha vida e pretendo contar um pouco pra vocês agora: Eu trabalho desde meus 18 anos, ininterruptamente, e quando eu saí do meu emprego, em Outubro de 2015, devo confessar, foi bem estranho! A primeira sensação foi: ufa, férias! Ah, foi uma semana incrível, descansei, ia até a praia quando queria, acordava a hora que queria. Porém essa moleza durou pouco, pois algumas pessoas começaram a pedir que eu fizesse alimentos sem lactose, e assim acabou surgindo a “Dream 2B Fit”, com alguns poucos pedidos, apenas de amigos e familiares.

IMG_20151127_152818

Um momento “pé na areia” da minha fase relax… 🙂

Além disso, nessa época minha amiga descobriu que estava grávida e pouco tempo depois teve a notícia que era uma gestação de risco, o que a levou a ficar afastada de suas funções no trabalho. Ela me pediu ajuda para organizar o chá de bebe, e como eu era uma “recém-desempregada” eu aceitei de pronto, afinal teria algo para ocupar minha cabeça, não ficaria tão parada em casa, e de quebra ia poder ajudar minha amiga a não ficar ociosa naquele momento delicado. Foi quando surgiu a ideia: vamos fazer aula de artesanato! Ah, foi uma empolgação só: amo arte, amo aprender, só o fato de ter um desafio para aprender algo é extremamente estimulante para mim! Começamos a fazer aula de pintura e preparar as peças de decoração para o chá de bebê, quando eu vi estava fazendo peças para vender também, recebi encomendas e fiz até peças para decorar a mesa na ceia de Natal e por aí vai…

IMG_20151118_231155IMG_20160228_151749

Porém, em Dezembro eu lancei nas redes sociais o “Panetone sem glúten e sem lactose”, e aí foi que a Dream 2B Fit começou a crescer. Em Janeiro comecei a preparar refeições saudáveis e sucos funcionais, com foco nas restrições alimentares, mas também atendia quem apenas estava buscando uma alimentação leve, saudável e uma reeducação para perda de peso. Esse mês foi uma loucura, eu acordava cedo, trabalha muito e me alimentava mal, pois eu comprava os ingredientes, fazia as comidas e depois saía correndo de bicicleta, embaixo do sol do verão, muitas vezes sem comer nada, para fazer as entregas das refeições. O resultado: stress mental, imunidade baixa e muitas doenças. Fevereiro foi um mês em que adoeci muito, tive de tudo um pouco e tive que dar uma pausa nesse ritmo, tive que repensar o que estava fazendo e quais eram as minhas prioridades. Em Março voltei às atividades e fizemos muito chocolate sem lactose e bolo sem glúten, fiquei super emocionada com o post de uma mamãe e a foto de uma princesinha super feliz! Ah, aquele momento em que você descobre o seu IKIGAI! ❤

IMG_20160309_072747

linha de páscoa infantil 2016cesta de páscoa 1

Hoje eu olho pra trás e vejo que poderia ter planejado melhor, poderia ter começado certo, mas essa experiência foi muito importante para mim. Ser microempreendedor não é fácil, ainda mais quando buscamos a sustentabilidade do negócio e queremos fazer tudo com qualidade. As empresas que estão no mercado não começaram da noite pro dia, tenho certeza que passaram por fases bem mais complicadas que eu, mas tudo fica como aprendizado. Eu fiz muitos cursos culinários e aprendi coisas novas, que somaram muito para minha vida pessoal. Hoje mudei a forma de atender aos pedidos, e não volto atrás, pois foram decisões importantes para manter o meu negócio e a minha saúde. Estou com outros projetos em vista, mas como uma boa ‘jack-of-all-trades’ (maria-faz-tudo), eu consigo lidar bem com diferentes atividades em diferentes áreas, e tudo ao mesmo tempo!  🙂

IMG_20160407_154531

Não comparo minha experiência com a de ninguém, nem estou aqui para copiar ninguém, mas é claro que muitas pessoas foram inspiração para mim neste tempo, a Flávia do Lactose Não, a Elaine do Soar, a Tatiane do Organize e Harmonize, a culinarista Cristiane Valdez, entre outras pessoas, que com certeza foram exemplos para mim e me ajudaram muito a descobrir a minha missão e o que tudo o que eu estava passando com a descoberta da intolerância poderia trazer de benefício para outras pessoas! Sim, eu chorei muito, eu sofri preconceito (e ainda sofro) e fui excluída muitas vezes (e ainda sou), mas hoje eu só tenho a agradecer a Deus por todo este aprendizado e esta grande oportunidade de crescer como pessoa e como profissional! Que venham novos desafios, pois minha mente tem sede de aprender! ❤

Até a próxima! Bye!

Silvinha Santos

Dream 2B Fit FINAL 01

Criando uma horta em casa

Olá pessoas lindas! Hello people!

Quanto tempo não é mesmo? Bem, a minha vida mudou bastante desde o último post, em outro post eu falo um pouco sobre as novidades que estou vivendo. Neste post quero focar em algo muito importante para nossa saúde e também para a saúde do planeta: alimentar-se com produtos orgânicos! Você pode estar pensando que este papo é coisa de “ecoamigo” ou “vegano”, mas a verdade é que os produtos orgânicos fazem bem a nossa saúde. Se soubéssemos a quantidade de metais pesados e outros produtos químicos que estão presentes em nossas frutas e verduras, os quais não vão sair, nem mesmo com uma boa higienização, e podem trazer inúmeros malefícios, dentre eles o surgimento de diversos tipos de câncer. Se isso estivesse em um rótulo nas frutas e verduras que você compra semanalmente, com certeza ia pensar algumas vezes antes de consumir. É por isso que cada vez mais pessoas estão se voltando para uma alimentação mais natural, orgânica. Porém, infelizmente os orgânicos são realmente mais caros, pois eles demandam de mais cuidado e mais mão de obra, muitas vezes provém de pequenos produtores, que não conseguem baixar seus custos para baratear sua produção.

Então como poderemos ter uma alimentação de qualidade, tendo a certeza que o alimento não está contaminado? Uma das soluções mais em conta é ter uma pequena horta em sua casa! Imagina colher seus alimentos e consumi-los fresquinhos, com a certeza que são naturais e sem agrotóxicos? Eu sei, eu sei, a maioria das pessoas moram em espaços cada vez menores, afinal somos urbanos, temos uma vida corrida, cheia de afazeres e com pouco tempo e espaço. Eu também vivo em uma casa pequena, tenho uma vida super corrida, e mesmo assim continuo cultivando minhas plantas. Que delícia é chegar na primavera e ver sua mini rosa desabrochando, sua orquídea abrindo uma flor que é um espetáculo, seu tomate dando os primeiros frutos, pode tomar um suco de abacaxi com a hortelã do seu quintal… ahhh isso não tem preço gente!!

IMG_20151206_121618-EFFECTS

Meu pé de tomate cereja! ❤

Então hoje eu quero dar umas ideias de como criar sua pequena horta, para você se inspirar e decidir ter uma vida mais saudável. Você pode começar com temperos (alecrim, hortelã, manjericão, pimenta, etc) e depois que pegar prática passar para pequenas hortaliças e assim vai. O importante é começar e manter o foco. Algumas plantinhas não vão resistir, outras vão durar muito pouco, mas não desista, a semeadura é algo que requer paciência para poder colher os frutos e se beneficiar deles. (Isso é em tudo na vida ok?) Eu já tentei fazer com aquelas sementinhas que vendem em saquinhos, e pra mim nunca dá certo, nunca nasce nada, acho que não tenho mão boa para usar semente…rsrssrs…. Mas você pode comprar a mudinha já crescida e ir cultivando ela. Pode usar garrafas PET, latinhas de molho de tomate, vidros de geleia ou conservas…Basta ter uma terra boa, um vasinho e começar sua aventura! Enfim, use sua criatividade! Seja do jeito que escolher, o importante é começar!

As imagens são de sites diversos e muitas foram encontradas no Google search:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Espero que tenha gostado do post e que seja bem útil para você! As ideias são inúmeras e cada uma mais linda que a outra, escolha a que melhor combina com sua casa e seu espaço. Que tenhamos uma vida mais saudável, mais “clean”, mais natural!

Até a próxima, see you!

By Silvinha Santos

Dicas para viagem: Alimentação para quem tem restrições alimentares!

Olá galera linda!!!

Faz tempo que queria escrever sobre isso, e depois de tanto tempo finalmente consegui parar para escrever esse post! Eu descobri a intolerância à lactose em 2014, o ano que fiz a primeira viagem de avião com meu esposo.

Eram tantas coisas para planejar e pensar, foi um planejamento de um ano pra nossa viagem, mas na época ainda não sabia muito sobre as intolerâncias e alergias alimentares, ainda estava conhecendo como meu corpo respondia à tudo isso. Claro que esqueci de escolher um menu sem lactose no momento da compra do voo, só pensei nisso depois, bem depois! E como fomos para Londres, foram “apenas” 16 horas dentro do avião, e a alimentação que recebi foi normal, igual à do meu esposo. “Marinheira de primeira viagem”, ou viajante de primeiro vôo, sofremos um pouco, não somente com relação à alimentação, mas também com relação à rinite alérgica, que ficou atacada e acabou com minhas narinas (ficaram bem machucadas por dentro…)! Na época, antes de viajar eu pedi um conselho pra minha Nutricionista, que indicou enzima lactase para diminuir as reações, a qual eu usei em todas as refeições e o que realmente ajudou, porém não tirou os efeitos por completo, no voo de volta passei muito mal, e foi uma péssima experiência.

Em 2015 fizemos diferente, nas nossas férias deste ano, quando fomos comprar o vôo, já logo pedi para meu esposo: “quero um menu sem lactose, por favor!”. Hoje em dia eu já sei que além da intolerância à lactose, também tenho alergia à proteína do leite, ou seja, a enzima lactase não é suficiente, eu tenho que me abster totalmente de leite, mes-mooo! Nosso voo foi pela Alitalia, e gostei bastante do atendimento e das refeições: além de ser sem
lactose, era sem glúten também! O café da manhã e o lanche na madrugada foi um pão especial, sem glúten. Tudo bem saudável e que me trouxe bastante saciedade, além disso o gosto estava muito bom! Há quem não goste de comida de avião, e ache parecida com a de hospital, mas isso é intriga gente, a comida estava bem feita e gostosa! rsrs… 🙂

Tirei algumas fotos para compartilhar com vocês:

IMG_20150811_002855

Café da manhã

IMG_20150810_163617

Janta

O problema mesmo foi no aeroporto, foi complicado achar algum restaurante para comer que não tivesse lactose, infelizmente tive que fazer o uso da enzima, e tive um pouco de reação na ida para Roma, fiquei bem inchada e com dores abdominais, coisa horrível de acontecer quando você está em um avião, não via a hora de chegar e tomar um banho, deitar na cama… Por isso a minha dica: se for muito cedo para o aeroporto e tiver como levar sua própria refeição, faça isso, você vai economizar e garantir uma viagem tranquila. Na volta eu fiz isso, levei uma salada de macarrão para comer antes de embarcar, tive um retorno super tranquilo, já que no avião a comida era toda especial.

A vida é assim, vivendo e aprendendo, mas já que a gente foi na frente e sofreu um pouco, você pode aprender com nossos erros e fazer tudo direitinho pra curtir uma viagem tranquila! Eu sigo a Flávia, do Lactose Não, e aqui está um resuminho do que evitar quando for comer fora, achei bem interessante e estou compartilhando com vocês:

O que comer fora de casa

Achei o resumo muito útil e interessante, pois é exatamente assim que eu me comporto quando estou fora. É claro que não é fácil gente, mas assim como “o crime não compensa”, geralmente as reações alérgicas realmente não compensam um curto momento de prazer gastronômico. É necessário mudar o significado da comida, entender o porquê você come, para conseguir vencer às tentações e “gordices” deste mundão aí… rsrsrs

Espero que sejam dicas úteis e que você tenha gostado, se gostou curte e compartilha com seus amigos, informação é valiosa e pode ajudar muita gente que precisa! ❤

Até a próxima! 😉

Bye!

Fonte imagem: <http://www.lactosenao.com/dicas-sem-lactose/comer-fora-de-casa-intolerancia-lactose/&gt;

Pão integral de liquidificador

Pão integral de liquidificador

                Pão integral de liquidificador

Olá galera!!

Desde que comecei a jornada por uma alimentação mais saudável e sem lactose, passei a me aventurar na cozinha e adaptar receitas. Eu nunca fui de cozinhar, era só o básico e olhe lá, mal conseguia fazer um bolo que fosse realmente bom. Mas descobri que fazer experimentos é muito bom, te faz descobrir novos sabores e texturas, faz você abrir a mente para coisas novas, e neste tempo aprendi a comer muita coisa que eu não comia antes.
Andei procurando por uma receita de pão caseiro, e achei algumas sem lactose, porém esses dias eu precisava fazer um pão (acabou o pão em casa e não tinha como ir comprar no momento) e não tinha muito tempo, precisava ser algo rápido! Então resolvi inventar, sim eu podia procurar na internet: “pão de liquidificador”, mas a pressa era grande, então decidi fazer minha própria receita… Essa receita não é sem glúten, mas é sem lactose e funcional, pois adicionei linhaça e chia, que agregaram valor nutritivo à receita.

Pão integral de liquidificador

Ingredientes:
3 ovos
1/4 de azeite
1/4 de óleo de canola
1 copo de água
1 pitada de sal
1 xícara de farinha de trigo integral
1 xícara de farelo de aveia
1 colher de sopa de farinha de linhaça
1 colher de sopa de farinha de chia
1 colher de fubá (opcional, coloquei pra dar um sabor de milho ao pãozinho)
1 colher de sopa de fermento químico

Aveia em flocos ou gergelim (para polvilhar)
papel toalha para forrar
ervas finas para dar sabor (opcional)

Modo de fazer:
Misture os ovos e os óleos (azeite e canola), bata bem com uma pitada de sal. Adicione a água e bata mais um pouco. Misture todas as farinhas em um recipiente e vá acrescentando aos poucos. Eu adicionei ervas finas e bati, mas isso é opcional. Por fim adicione o fermento e misture levemente com uma colher ou espátula. Forre a forma com papel toalha, e coloque a massa. Polvilhe a aveia ou gergelim por cima da massa, para decorar o pão.
Coloque em forno pré-aquecido e deixe assar até ficar douradinho. (pelo menos 30 minutos, dependendo da forma e do forno). Tire do forno e deixe esfriar um pouco, desenforme, retire o papel e está pronto!

Fácil né gente? Em menos de uma hora você tem um pão fresquinho e caseiro, e o melhor: sem pesar na consciência! Um pedacinho sustenta bastante, pois ele é basicamente um pão com muitas fibras.

Gostou? Comenta e compartilha também, você pode ajudar outras pessoas!

Abraços e até a próxima!

Bolo de chocolate sem lactose e integral

Olá galera! Quanto tempo não é mesmo?

Esses dias estava em casa e resolvi fazer um bolo integral de chocolate: o esposo estava estudando para as provas da faculdade e eu no estado formiga ativado pela TPM. Eu não sou muito de seguir receitas, geralmente vou jogando os ingredientes e avaliando a textura da massa. Também não costumo anotar as receitas que invento, aí quando me perguntam eu nunca lembro as proporções.

Porém, dessa vez decidi anotar e fazer direitinho com medidas, pois queria testar uma receita de bolo integral que não ficasse pesado pra poder compartilhar com vocês. Além do meu esposo, duas amigas comeram e aprovaram a receita. Espero que vocês também gostem, o bolo ficou bem fofinho, e o melhor, é bem fácil:

Bolo de chocolate sem lactose e integral (Chocolate Cake lacfree)

Ingredientes:
3 ovos
1/2 xícara de óleo de canola
1 copo de água
1 xícara de açúcar mascavo ou demerara
3 colheres de sopa de cacau em pó
1 xícara de farinha de farinha de trigo integral
1 xícara de farinha de aveia (é mais fina que o farelo de aveia)
1 xícara de amido de milho
1 colher de sopa de fermento
Essência de baunilha a gosto (coloco umas gotinhas)

Modo de fazer:
Bato os ingredientes líquidos por 3 minutos, depois vou adicionando os sólidos, menos o fermento, e continuo batendo até ficar homogêneo. Desligo o liquidificador e adiciono o fermento, misturo levemente com uma colher ou espátula para bolo e derramo em forma previamente untada com óleo e farinha (*pode ser com margarina, mas eu não tenho em casa, afinal ninguém consome margarina ou manteiga, então utilizo óleo para untar). Leve ao forno até crescer e ficar bem assado, faça um teste com garfo ou palito após 30 minutos, se sair bem limpo está pronto!

Gosto de dar uma aparência bonitinha, e como meu esposo gosta de bolo simples, sem cobertura, então usei apenas açúcar de confeiteiro para polvilhar por cima do bolo… Ajuda a não pesar também, mas caso queira mais elaborado, use sua criatividade e aproveite!

Chocolate cake lacfree

    Bolo de chocolate sem lactose e integral

Eu não sei quantas calorias tem o bolo galera, mas também não sou muito de contar calorias, detesto isso, acho que tudo é questão de bom senso, afinal o bolo integral ajuda a dar mais saciedade, uma fatia deve acabar com aquela fome de doce que aparece de vez em quando. Tudo na vida precisa de equilíbrio, então aprecie moderadamente, pensando de forma consciente.

Aproveite, curta a vida, cada momento, seja mais saudável, alegre e viva leve!

Enjoy it!

Pizza caseira

Olá galera!

Promessa é dívida, então aqui estou para cumprir a promessa e postar a receita da pizza que fiz com meu esposo no fim de semana. Devido à intolerância a lactose é difícil achar uma pizza que eu possa comer sem medo, então este final de semana decidimos fazer pizza em casa. Olha que linda que ficou:

IMG_20150501_225257

Eu comprei a massa pronta, no mercado mesmo, mas você pode usar como massa o pão sírio ou fazer uma dessas opções de massa:

Massa de pizza sem glúten e lactose – rende 1 pizza grande

Ingredientes:
1/2 xícara de farinha de arroz
1/2 xícara de fécula de batata ou amido de milho
1/2 copo de goma hidratada de tapioca- aquelas que compramos no mercado prontas para usar
1 colher de chá de goma xantana
1 colher de chá de sal
1/2 colher de sopa de fermento biológico seco
1 colher de chá de açúcar demerara
1/2 copo de água morna
1 colher de sopa de azeite de oliva
1 ovo

Modo de fazer:
Primeiro de tudo vamos fazer a pré-fermentação! Dissolva o fermento, o açúcar e o azeite na água morna – a temperatura ideal eé quando você coloca o dedo e está confortável, espere o fermento reagir (cerca de 15 minutos).
Em uma tigela misture a farinha de arroz, a fécula de batata, goma de tapioca, sal e a goma xantana e reserve. Faça um buraco no meio da mistura dos secos e adicione a mistura do fermento e o ovo levemente batido e misture
até obter uma massa lisa. A massa fica bem grudenta, não tem como manipular com a mão. Deixe a massa descansando em ambiente quente até dobrar de volume. Abra a massa em formato de pizza, eu coloco na forma
antiaderente e espalho com um espátula mesmo. Leve ao forno pré-aquecido a 180 graus por 10 a 15 minutos. Tire do forno, coloque o recheio de sua preferência e leve novamente para assar por mais uns 15 minutos a 200 graus
C.

Retirado de: http://www.lactosenao.com/receitas-sem-lactose/massa-de-pizza-sem-gluten-e-lactose/

Pizza de Liquidificador

Ingredientes
1 xícara(s) (chá) de leite
1 unidade(s) de ovo
1 colher(es) (chá) de sal
1 colher(es) (chá) de açúcar
1 1/2 xícara(s) (chá) de farinha de trigo
1 colher(es) (sopa) de fermento químico em pó
1 colher(es) (sopa) de margarina

Como fazer:
Bata todos os ingredientes no liquidificador até borbulhar. Despeje a mistura numa assadeira para pizza, untada. Asse em forno previamente aquecido.
Depois de assada coloque a cobertura de sua preferência e leve novamente para o forno e deixe alguns minutos. Sirva a seguir.

Retirado de: http://www.cybercook.com.br/pizza-de-liquidificador-r-13-488.html?origem=coluna-direita-bloco-receitas-relacionadas

Preparação do Recheio:

Fizemos dois sabores, calabresa e atum. Primeiro preparei um molho de tomate bem temperadinho com extrato, cebola, alho, temperos diversos. Passe o molho ainda morno na massa (eu gosto de furar a massa para penetrar o molho de tomate) depois cubra com o recheio que você escolheu.

Para fazer a pizza de calabresa meu esposo ralou uma linguiça inteira, no ralador comum mesmo. Se você tiver processador ou quiser em fatias, fica a seu gosto. Colocamos fatias de cebola e pimentão verde e amarelo picadinhos, salpiquei orégano e pronto, colocamos no forno por alguns minutos…

Para a pizza de atum:
1 lata de atum
azeitona
palmito picado
seleta de legumes
milho verde
ovo cozido
cebola e tomate em rodelas
pimentões verde e amarelo picadinhos
orégano

Como podem ver, não fiz uma pizza light ou fit… Não estou aqui para enganar vocês, porém fazer a pizza em casa é uma opção mais saudável do que pedir a pizza pronta e para mim o beneficio foi não ter que me preocupar com a lactose. Claro que, feita em casa, as calorias da pizza diminuem, mas ela continua sendo um alimento com muito sódio, pois utilizamos enlatados e produtos com conservantes. Sendo assim, não exagere na hora de saborear ok? 😉

Abraços a todos e até a próxima!!!

Receita de Escondidinho de Frango com Batata Doce

Olá galerinha,

Faz um tempo que eu vi uma fotinho por aí, nas redes sociais, de um tal “escondidinho funcional”, fiquei
com vontade de experimentar, mas nada de me animar a procurar a receita para fazer. Ontem estava
decidida a ir para a cozinha e fazer minhas “experiências” aí me deparei no Instagram com a Receita
que a Nutricionista Mariana Tornincasa postou: juntou a fome com a vontade de comer, literalmente!
Fiz algumas modificações, pois tenho intolerância a lactose e estou tentando desintoxicar o
organismo esta semana (passei mal no fim de semana devido a um purê de batata que comi fora de
casa e provavelmente tinha lactose, o jeito foi cortar o chocolate em plena páscoa…rsrsrsrs).

Aí vai a fotinho do passo a passo e a receita da Nutrindo o Corpo (perfil no IG). Em seguida minhas
alterações:

mosaicoTresUm-5523d4e49f05a

Escondidinho Funcional

Ingredientes:
Peito de Frango
Batata Doce
Azeite a gosto
Temperos a gosto

Modo de preparo:
Cozinhe a batata doce, amasse e faça um purê (eu coloquei apenas um fio de azeite e ervas finas)
Cozinhe o peito de frango e depois refogue e desfie, tempere a gosto. (eu usei pimentão verde, amarelo e vermelho, cebolinha, curry, pimenta do reino e um fio de azeite)

Depois monte em camadas: purê, frango, purê. Você pode gratinar (eu apenas coloquei gergelim por cima) e está pronto! Difícil né?

Este pode ser um bom almoço, lanche ou pós treino, fica uma delícia e alimenta de montão! Curtiu? Então compartilha ; )

Abraços e até a próxima!!!

Receita do dia: Bolo funcional sem lactose

Olá galerinha!!!

Esse final de semana fiz um bolinho pro meu esposo, postei a fotinho nas redes sociais e muitas amigas pediram a receita, o bolo foi super aprovado pelo marido e ficou muito saudável, então vou compartilhar com todos esta receita:

Bolo funcional lacfree

Bolo funcional lacfree

Bolo funcional sem lactose

Ingredientes:
3 ovos
1 xícara de açúcar demerara
1/3 de óleo de canola
1 xícara de leite sem lactose ou leite de coco
1 colher de sopa de essência de baunilha
1 colher de chá de canela
1 xícara de farinha de trigo (se tiver integral, melhor)
2 xícaras de farinha de aveia
1 colher de sopa bem cheia de fermento químico
mix de oleaginosas (quantidade a gosto, uso pouco para não pesar nas calorias)
uvas passas preta e branca sem semente (à gosto, opicional)
Chocolate 70 % Cacau ou mais, fique de olho se tem leite na composição (usei o orgânico da Chocolat)

Para decorar usei açúcar de confeiteiro e confeitos coloridos, mas isso fica a seu critério.

Modo de fazer:
Pré-aqueça o forno a 180 graus. Dica: Os ovos devem estar em temperatura ambiente.
Bata todos os líquidos primeiro: ovos, óleo, leite, essência. Eu uso a batedeira, mas pode fazer no liquidificador.
Depois acrescento o açúcar, a farinha de trigo, a farinha de aveia e a canela. Bato por bastante tempo, pois o que faz o bolo crescer e ficar fofinho são as bolhas de ar que criamos quando batemos.
Após a massa ficar homogênea, misturo as oleaginosas, as passas e os pedaços de chocolate com uma colher.
Por fim coloco o fermento e misturo suavemente.
Despeje a massa em uma forma untada e asse a 180 graus por 30-40 minutos ou até o palito sair limpo.

Ao retirar do forno esperei esfriar um pouco e com uma peneira, polvilhei o açúcar sobre o bolo e joguei uns confeitos coloridos, apenas um mimo… ❤

Observação: As fibras da farinha de aveia dão saciedade, a canela é termogênica, ajudando no processo de emagrecimento, as oleaginosas tem as “gorduras boas” e o coração agradece! ❤ Esse bolo é ótimo para quem está lutando com o colesterol, pois a aveia ajuda a baixar o colesterol e ele não é feito com margarina. Para comer sem culpa!